Conversa entre uma criança e seu professor a respeito de Deus.

Criança:  O que é Deus? O que é a Divindade?

Professor: O alimento é Deus.

Assim a criança saiu e plantou alimento o suficiente. Ele entendeu o valor do alimento e os seus efeitos no corpo e na mente. Mas então ele pensou “o alimento não é o bastante”. Assim ela novamente foi ao seu professor para perguntar o mesmo.

Criança: O que é Deus? Qual é o poder supremo que revê a todos?

Professor: O prana (a energia da vida) é Deus. A respiração é Deus.

A criança saiu e ficou todo um tempo tentando entender sobre o prana. Como a força da vida entra e sai de nosso corpo. Ele havia entendido, havia subido aquele degrau. Então, ele voltou ao professor novamente com uma autêntica vontade de conhecer.

Criança: Eu entendi o Prana, mas ainda não estou satisfeito. Por favor me diga, o que é o Divino? O que é Deus?

Professor: A mente é Deus.

Então a criança passou seu tempo estudando e observando a mente e descobriu que “pensamentos bons vinham até ela e pensamentos ruins vinham também. Existia mente em certos momentos e em outros não existia a mente.” Depois de passar um bom tempo nisso, ele sentiu que havia algo mais, e que a mente não era tudo. Então, ele novamente voltou ao professor e fez a mesma pergunta.

Professor: Conhecimento é Deus.

Então ele contemplou o conhecimento, mas não estava satisfeito de verdade. O conhecimento é obviamente necessário para ela seguir adiante. Mas ainda assim ela sentiu que havia algo mais, não havia tudo ali. Então ela foi até seu professor pela última vez e humildemente fez a mesma pergunta.

Professor: Bem-aventurança é Deus.

Então este garoto saiu e experimentou a bem-aventurança e todas as suas perguntas desapareceram neste momento. Ele disse que o amor e a bem-aventurança são, de fato, a natureza de Deus.

Passo a passo, o professor o guiou pelo caminho. Por isso é tão importante assimilar o conhecimento na presença de um santo. É mais benéfico ouvir a um Guru ou Mestre porque Ele não fala apenas no nível das palavras, mas fala a experiência em si. A experiência desperta a experiência nos outros. Mas a criança nunca reclamou de que havia algo mais do que lhe era dito. Ele sabia que uma pessoa que não sabe sobre alimento não saberia que benção é Deus e o mesmo vale para os outros passos. Uma pessoa que não tem o alimento para comer não pode entender que bem-aventurança é Deus. Por isso o alimento é importante.

Nós temos cinco tipos de Corpos… (continua na próxima postagem)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s